Curso Breve

Cuidar dos cuidadores de doentes oncológicos e crónicos

Baseado no "Meaning-Centered Psychotherapy for Advanced Cancer Patients"

Apresentação do curso

Na área da saúde e da doença, os modelos de intervenção de raiz biopsicossocial, preconizam a importância da intervenção não só junto da população doente como daquela que cuida dos doentes. Na literatura encontramos alusão aos cuidadores, como personagens que assumem função de relevo no tratamento, no apoio, na adaptação do doente a uma nova realidade, tendo eles próprios de se adaptarem a uma nova realidade de vida, de múltiplas formas, aprendendo a lidar e a gerir as suas próprias emoções. Cuidar, é por isso, uma tarefa muito exigente tanto ao nível físico, como psicológico e emocional. No entanto, na maioria das vezes, quem está de fora, só olha para o paciente, e o evoluir da sua situação clinica, não existindo em mutos casos a merecida atenção e apoio a quem cuida.

 Num outro plano, podemos afirmar que os cuidadores, podem ser classificados como formais (quando desenvolvem tarefas de cuidar no âmbito profissional), ou informais (quando existem vínculos, ligações familiares e proximidade afetiva e relacional com o paciente). Neste ultimo caso, há que gerir uma infinidade de questões exigentes e desgastantes, sendo-lhes não raramente exigido um trabalho emocional complexo.

Ao longo dos últimos anos, investigadores e cientistas têm vindo a evidenciar, os problemas que podem ocorrer e comprometer a saúde, bem-estar e qualidade de vida dos cuidadores informais, destacando o facto de a não ser efetuado qualquer tipo de acompanhamento, ou apoio durantes as fases mais criticas, daqui poder resultar, aquilo que consideram ser uma “bomba relógio”. Por isso, tem-se vindo a investir no desenvolvimento de intervenções dirigidas aos cuidadores informais, que vão ao encontro  das suas necessidades mais prementes. Alguns trabalhos de investigação neste âmbito, revelam por exemplo que em fase de doença oncológica ativa, os cuidadores tendem a desenvolvem quadros de vulnerabilidade ao stress, sem contudo se permitirem adoecer...algo que sucede frequentemente quando existe um desfecho relativo ao quadro clinico da pessoa que cuidam (seja este positivo ou negativo). O que acontece então? Quando a prestação de cuidados se estende no tempo e de forma intensa, estes cuidadores expostos continuadamente a elevados níveis de stress, e sem hipótese de se cuidarem, a médio e longo prazo, vêm repercutido na sua própria saúde e bem-estar, um conjunto vasto de fragilidades que os expõem imunologicamente a situações de perigo, e ameaça da integridade física e mental.  Por isso é fundamental a atempada prestação de cuidados de saúde aos cuidadores...para promover a sua saúde e bem-estar, para prevenir estas ocorrências, para os apoiar e incentivar a encontrarem estratégias de resiliência. Mas para isso, têm de existir técnicos e profissionais de saúde que saibam efetivamente trabalhar com eles.

Objectivos:

  • Alertar os participantes para a importância de estarem atentos e acompanharem os cuidadores informais de doentes crónicos. Partindo de modelos com eficácia comprovada, e referenciais que conciliam contributos da Medicina, Psicologia, Sociologia e Enfermagem, procura-se dar a conhecer algumas das abordagens mais recentes com resultados comprovadamente positivos na forma de cuidar dos cuidadores.

  • Dar a conhecer técnicas de avaliação e intervenção de cuidadores de pacientes com doença crónica e /ou oncológica, contribuindo para a sua formação, realização profissional e bem-estar no trabalho.

 

Competências

  • Procura-se criar e desenvolver competências profissionais consideradas indispensáveis para a avaliação, e intervenção junto de cuidadores informais de doentes crónicos e oncológicos com base em princípios éticos e deontológicos que se constituam como promotores da saúde e do bem-estar.

  • O desenvolvimento de competências comunicacionais essenciais para a relação com os cuidadores é essencial, mas procura-se desenvolver também competências na inter-disciplinaridade e trabalho de equipa.

  • Treino na avaliação de sinais de distress e  intervenção precoce sobre os mesmos, completam o conjunto de competências que se procuram desenvolver ao longo do curso.

Plano de Estudos

  1. Noções básicas de Saúde e Doença, Stress e Qualidade de Vida.

  2. A comunicação profissional de saúde/ paciente e cuidador informal.

  3. A importância do apoio ao cuidador informal em todas as fases da doença, a gestão do tempo, das tarefas e das emoções.

  4. Stress, distress e imunologia humana. O porquê de apoiar e prevenir mal-estar e doença no futuro. Estratégias que ajudam os cuidadores a lidar com a situação.

  5. Como apoiar os cuidadores no recurso a ajustadas estratégias de comunicação com os seus familiares. A importância do trabalho em equipa multidisciplinar.

  6. Como trabalhar a dor, o sofrimento, o sentido e o propósito de vida do cuidador informal: estratégias e formas de as implementar.

  7. Como trabalhar com os cuidadores informais as questões ligadas ao processo da morte e do morrer e como preparar os cuidadores para poderem ajudar os seus a morrer.

INVESTIMENTO

 

Matrí­cula e Inscrição - 50,00

Propina mensal - 150,00

Número de Propinas - 1

 

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Efectuando o pagamento integral das propinas, a inscrição será gratuita e beneficia ainda de um desconto de 10%

 

(No caso de não ser possível ter o numero minimo de inscritos (8), o investimento efectuado será devolvido)

Mais informações - contacte-nos

Local: Coimbra, Lisboa, Portimão e Porto

Possibilidade em:

© 2017 por IIISOCH

  • Facebook Social Icon

Contacte-nos

Em associação com:

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now